BrasilEsportesTodos

Velejador Jorge Zarif é pego em teste antidoping a seis meses da Olimpíada de Tóquio

A delegação brasileira corre o risco de ficar sem um dos seus principais atletas da Vela nos Jogos Olímpicos de Tóquio, que começam em 24 de julho, no Japão. O velejador paulista Jorge Zarif, campeão mundial da classe Finn em 2013, foi flagrado no exame antidoping com a substância proibida tamoxifeno. O resultado do exame foi revelado na tarde de ontem (16).

O teste foi realizado em agosto do ano passado, quando o atleta participou do evento teste da modalidade na Baía de Enoshima, onde ocorrerão as disputas de vela na Olimpíada do Japão. O atleta reconheceu que fez uso da substância proibida em tratamento médico e se colocou em suspensão preventivamente pela Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD).

Com a opção pela suspensão preventiva, caso Zarif venha a ser punido pela Wada (Agência Mundial Anti-Doping), o prazo de punição passa a valer a partir desta quinta-feira (16). Se o atleta for suspenso por seis meses, ele poderá retornar às atividades a tempo de participar da Olimpíada de Tóquio.

O velejador explicou no comunicado que fez uso da substância tamoxifeno, durante 20 dias de junho passado, sob orientação médica. Ele explicou que se submeteu ao tratamento devido a uma ginecomastia bilateral (aumento do tecido mamário em homens) que lhe causava dores e limitava seus movimentos. Zarif esclareceu ainda que optou pelo tratamento medicamentoso para evitar um procedimento cirúrgico, que poderia afastá-lo de atividades físicas por 45 dias.

Em maio do ano passado, o velejador de 27 anos garantiu uma vaga para o Brasil na classe Finn (barco de 17 pés) ao se classificar para a medal race (corrida por medalha) do campeonato europeu, em Atenas (Grécia). Ao se colocar em suspensão preventiva, Zarif deixa a critério da Confederação Brasileira de Vela (CBVela) levar outro velejador para a Olimpíada de Tóquio.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário