BrasilDireitos HumanosJustiçaTodos

Superdelegado Alexandre de Moraes prorroga prisão ilegal da ativista Sara Winter

O ministro Alexandre de Moraes, superdelegado do Supremo Tribunal Federal, prorrogou hoje (19) por mais cinco dias a prisão da ativista Sara Fernanda Geromini, conhecida como Sara Winter. Ela está custodiada no presídio feminino do Distrito Federal. Ela é uma presa política, a primeira na chamada Nova República da qual essa corte é resultante. Na segunda-feira (15), Sara foi presa pela Polícia Federal por determinação do ministro superdelegado e a pedido da Procuradoria-Geral da República na investigação que apura ataques a instituições, como pedidos de intervenção militar e o fechamento do Congresso e do Supremo. A ativista já foi denunciada pela Procuradoria da República no Distrito Federal pelos crimes de injúria e ameaça ao ministro. A denúncia foi enviada à 15ª Vara Federal de Brasília.

Ontem (18), a ministra Cármen Lúcia, do STF, negou um pedido de liberdade feito pela defesa de Sara Winter. Segundo a defesa, houve abuso de poder e ilegalidade na decretação da prisão. Para os advogados, Sara é vítima de perseguição política. “Se pessoas condenadas por tráfico de drogas podem ser beneficiadas por habeas corpus para ficarem em prisão domiciliar com seus filhos menores, qual o motivo a ora paciente deverá, duplamente, permanecer encarcerada, se não cometeu crime algum, não é condenada, não é autoridade com foro de prerrogativa, e possui um filho de 5 anos de idade?”, questionou a defesa no STF. Sara Winter é líder do grupo 300 do Brasil, de apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

A prisão dela é ilegal, determinada pela autoridade que preside um inquérito ilegal, o das fake news, apesar de o Pleno do STF ter decidido por sua legalidade. Qualquer pleno, com outra composição que não a atual, jamais teria adotado tal aberração jurídica, como foi legitimamente apontado pelo ministro Marco Aurélio Mello, o único a votar pela ilegalidade da instalação do inquérito no Supremo Tribunal Federal. (Ag. BR)

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário