BrasilEducaçãoSaúde e MedicinaTodos

Secretaria da Educação entrega kits de alimentação em Pelotas, Rio Grande, Guaíba e Osório

A primeira leva de kits de alimentação destinados às Coordenadorias Regionais de Educação (CREs) de Pelotas, Rio Grande, Guaíba e Osório foram entregues pela Secretaria da Educação (Seduc) na manhã desta quarta-feira (29/4).

Ao longo do mês de maio, outras remessas chegarão em mais carretas. A medida beneficia as famílias dos estudantes que deixaram de comparecer às escolas a partir da suspensão das aulas presenciais, como medida de enfrentamento à Covid-19.

Cada regional recebeu 2.340 cestas básicas, totalizando 9.360 kits e mais de 224 toneladas de alimentos. Entre os itens contidos estão produtos como feijão, arroz, café, biscoito, farinha de milho, farinha de trigo, açúcar, leite em pó, molho de tomate, óleo vegetal e salsicha em conserva.

Ao todo, até o final de maio, serão distribuídas 185 mil cestas básicas contendo 24 quilos de gêneros alimentícios cada uma, o que totaliza um investimento de cerca de R$ 22 milhões e mais de 4,5 mil toneladas de comida.

Os recursos são provenientes do governo do Estado, com a quantia de R$ 9 milhões, e do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), com recursos na ordem de R$ 12,7 milhões.

Em Osório, a 11ª CRE contou com o apoio do Exército, especialmente do 8º Regimento de Cavalaria Mecanizada, para a descarga dos alimentos na sede da coordenadoria.

A partir desta quinta-feira (30/4) e ao longo de quatro a cinco dias, o Exército também será parceiro na entrega dos 2.340 kits para as escolas. Diferentemente de outras regionais, que abrangem municípios mais próximos uns dos outros, a 11ª envolve cidades em um raio de 300 quilômetros, indo da divisa com Santa Catarina até o município de Tavares.

Em virtude desta especificidade, os mantimentos serão levados diretamente para a maioria das escolas, em vez de elas organizarem a busca das cestas. Segundo o coordenador da 11ª CRE, Fabrício Soares, a primeira remessa será entregue aos municípios com situação de maior vulnerabilidade, nos quais há mais famílias de alunos necessitando de alimentos.

Serão atendidas cerca de 15 escolas de municípios como Arroio do Sal, Mampituba, Mostardas, Tavares, Torres, Três Cachoeiras e Três Forquilhas.

“Cerca de 70% a 80% dos nossos alunos dependem de transporte escolar para ir à escola, e o serviço está paralisado, então esses estudantes não conseguem se deslocar para comer merenda”, relata Soares. “Para muitos, a merenda era a melhor alimentação do dia. Por isso, a ação mais apropriada é realmente distribuir esses kits para as famílias, porque assim eles terão acesso aos alimentos.”

O coordenador conta que a situação é difícil principalmente em municípios litorâneos, onde boa parte da população tem trabalhos que dependem do movimento gerado pelo turismo.

A 18ª CRE, em Rio Grande, também recebeu duas carretas de alimentos na manhã desta quarta-feira, totalizando 2.340 kits. A regional conta com o apoio da Marinha e do Exército para a descarga e o transporte até as instituições de ensino – enquanto o Exército levou nesta quinta-feira (30/4) os mantimentos para as cinco escolas de Chuí e Santa Vitória do Palmar, a Marinha entregará para os dez colégios de Rio Grande e os quatro de São José do Norte contemplados nesta remessa.

Para agilizar o recebimento dos kits pelas escolas, a coordenadoria optou por armazenar os alimentos diretamente nos caminhões da Marinha e do Exército, em vez de descarregá-los em um prédio fechado. A expectativa era de que quase todas as cestas fossem entregues para as famílias ainda na quinta-feira.

“Os diretores têm nos falado que há uma grande necessidade desses alimentos nas cidades que atendemos. Hoje (29/4) mesmo, quando a carreta parou em um bairro para fazer o retorno, familiares de alunos já perguntaram para os motoristas sobre as cestas básicas. A gente nota um movimento que mostra que eles realmente estão precisando”, comenta a coordenadora da 18ª CRE, Greici Hinterholz Kaus.

A 5ª CRE, de Pelotas, contou com o apoio voluntário de empresas locais para fazer a descarga dos kits. Elas disponibilizaram empilhadeiras, paleteiras e mão de obra para retirar os alimentos das duas carretas e colocar no ginásio de uma escola.

Também foi necessária a presença de agentes de trânsito, visto que a descarga ocorreu em uma avenida movimentada, e a presença do Batalhão de Choque da Brigada Militar e da Guarda Municipal para segurança.

O Exército será parceiro na distribuição dos mantimentos nas escolas, atividade que começou já na tarde desta quarta-feira. As entregas seguiramo ao longo desta quinta-feira para cinco municípios: 16 instituições de ensino em Canguçu, quatro em Capão do Leão, dez em Piratini, sete em São Lourenço do Sul e uma em Santana da Boa Vista.

A coordenadora da 5ª CRE, Alice Maria Szezepanski, comemorou a organização bem-sucedida da logística de recebimento e armazenamento das cestas básicas e a solidariedade das empresas e instituições envolvidas. “É uma coisa bacana ver todo mundo trabalhando junto por uma causa tão nobre. A nossa região é bastante pobre e, agora, vivemos uma seca muito forte. Temos famílias que perderam tudo nas lavouras, então precisávamos que a logística funcionasse, e funcionou”, observa.

Em Guaíba, onde funciona a sede da 12ª CRE, a logística organizada pela coordenadora Vera Lúcia da Silva Almeida também foi um sucesso: as duas carretas contendo 2.340 cestas chegaram às 7h45min, os veículos foram descarregados ao longo da manhã, a regional serviu almoço para todos os voluntários que ajudaram no processo e, às 14 horas, as direções das escolas começaram a chegar à escola onde os kits estavam armazenados para buscá-los.

“A palavra neste momento é emoção, porque o cansaço é grande, mas é um cansaço que compensa, porque focamos no objetivo final, que é aquela criança que vai receber esse alimento”, destaca Vera.

A força-tarefa contou com o apoio da comunidade: pais e familiares dos alunos ajudaram a descarregar as carretas. A coordenadora estava com pressa para entregar todos os mantimentos até o final de quinta-feira, para que os estudantes e suas famílias tenham comida na mesa já na sexta-feira, que é feriado, e no final de semana.

Foi montado um cronograma com horários para cada direção comparecer ao local, a fim de que não haja aglomerações. Nesta primeira remessa, alunos em situação de vulnerabilidade de 38 das 92 escolas atendidas pela 12ª CRE serão contemplados. As instituições restantes receberão os kits ao longo do mês de maio.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário