BrasilGenteTodos

Procurador que atacou juíza federal em São Paulo cometeu suicídio na clínica

Matheus Carneiro Assunção, procurador da Fazenda Nacional, que no ano passado esfaqueou a juíza federal Louise Filgueiras, em São Paulo, cometeu suicídio. Ele foi encontrado morto hoje pela manhã na clínica psiquiátrica para onde foi transferido por determinação judicial — no ano passado, ele tentou se matar na Superintendência da Polícia Federal e um laudo médico apontou “risco significativo” de nova tentativa. Em outubro, Assunção foi preso em flagrante após tentar matar Louise Filgueiras, na sede do TRF-3. Nos pedidos para encaminhá-lo a clínica, a defesa apontou que ele sofria de “sucessivos surtos psicóticos”, “sintomas de ansiedade intensa decorrentes de problemas profissionais” e “grave perturbação do estado mental, sendo diagnóstico de episódio depressivo grave”.

Médicos constataram que ele falava da existência de uma conspiração para matá-lo, regidas por uma força maior, que acreditava ter natureza espiritual. Em alucinações auditivas, ouvia dentro da cabeça vozes que sinalizariam a intenção dessa força. Com 35 anos e natural de Recife, mestre e doutor em Direito, Assunção trabalhava na Procuradoria da Fazenda Nacional há mais de 10 anos e foi afastado após a tentativa de homicídio. Ele foi preso em flagrante quando, em outubro, entrou no gabinete de Louise Filgueiras e a golpeou no pescoço, próximo da jugular, com uma faca. Seguranças contaram que ele dizia querer “fazer o que Rodrigo Janot deixou de fazer” — em livro, o ex-procurador-geral relatou ter ido ao Supremo Tribunal Federal com uma arma para matar o ministro Gilmar Mendes. (Ag. BR)

Compartilhe nas redes sociais:

Comments (1)

  1. Primeiro – não é para menos o extinto estar ‘pirado’: lidar com a (in)justiça brasileira deixa qualquer um fora da casinha.
    Segundo – não sei o que o levou a tentar contra a vida da juíza federal, mas quanto ao que dizia ter vontade de fazer contra Gilmar Mendes, por mais pacífica que seja boa parcela dos brasileiros honestos têm a mesma tentação.
    Terceiro – foi uma pena ter se suicidado. O ainda jovem procurador certamente ainda tinha muitos bons serviços a serem prestados ao Brasil.

Faça seu comentário