BrasilJustiçaPolíciaTodos

Polícia Federal conclui que Aécio Neves recebeu R$ 65 milhões em propinas da Odebrecht e da Andrade Gutierrez

Em relatório conclusivo, a Polícia Federal atribui ao deputado federal Aécio Neves (PSDB) o recebimento de propinas de R$ 64.990.324,00 das construtoras Odebrecht e Andrade Gutierrez, entre os anos de 2008 e 2011, “sendo parte relevante desta quantia fora do período eleitoral”.

No documento, entregue ao relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Edson Fachin, o delegado Bernardo Guidali atribui ao tucano os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A partir desse parecer final sobre as investigações, cabe à Procuradoria-Geral da República decidir se denuncia o tucano, ou se encaminha os autos à primeira instância, já que os fatos são anteriores ao atual mandato do parlamentar.

Também foi atribuído crime de lavagem de dinheiro ao ex-diretor de Furnas, Dimas Toledo, e ao empresário Alexandre Accioly, apontados como supostos intermediários da propina. Neste inquérito, delatores da Odebrecht afirmam que o playboy tucano defendeu os interesses da empreiteira nas usinas hidrelétricas do Rio Madeira, Jirau e Santo Antônio.

Segundo a Polícia Federal, “se verificou nas investigações que o Grupo Odebrecht realizou o pagamento a Aécio Neves de cerca de R$ 29.990.324,00, sendo que desta quantia foram entregues em espécie R$ 28.200.000,00, entre janeiro de 2009 e dezembro de 2010, quantias que foram distribuídas no período subsequente inclusive no ano de 2011, mediante a utilização do doleiro José Antônio Estevão Soares (falecido), e a intermediação de Dimas Fabiano Toledo”.

“O montante complementar de US$ 895.162,00, correspondente a R$ 1.790.324,00 foi pago em dólares por meio da conta da empresa Klienfeld Services Limited, no Antigua Overseas Bank, localizado em Antígua e Barbuda, na conta da offshore Embercy Services Limited, sediada na cidade de Majuro, capital da República das Ilhas Marshall, na agência do banco UBS – UNIÃO DE BANCOS SUIÇOS localizada em Singapura, entre 14 de novembro de 2008 e 26 de janeiro de 2009”, afirma o delegado.

De acordo com o relatório, “a Construtora Andrade Gutierrez realizou pagamento de vantagens indevidas a Aécio Neves no montante de R$ 35.000.000,00 (trinta e cinco milhões de reais), mediante a realização de dois investimentos na holding Aalu Participações e investimentos, que tem como sócio proprietário Alexandre Accioly Rocha e é controladora da empresa Academia Bodytech, nos valores de R$ 30.500.000,00 (trinta milhões e quinhentos reais), em 02/09/201 O, e de R$ 4.500.000,00 (quatro milhões e quinhentos mil reais), em 01/04/2011”.

Essa Academia Bodytech tem também como sócio o global Luciano Huck, que pretende concorrer à Presidência da República e era íntimo do playboy mineiro Aécio Neves. (OESP)

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário