BrasilEconomiaPetróleoTodos

Petrobras anuncia três novas plataformas para explorar pré-sal no campo de Búzios

A diretoria executiva da Petrobras aprovou, nesta sexta-feira (24), a contratação de três novas plataformas do tipo Floating Production Storage and Offloading (FPSOs) para o campo de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos, causando alvoroço no mercado. Segundo a petroleira, as três novas unidades fazem parte do Plano de Desenvolvimento do ativo, que prevê um total de doze unidades instaladas até o final da década.

Ao término da fase de desenvolvimento, é esperado que o campo de Búzios produza mais de 2 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed), tornando-se o maior ativo de produção da Petrobras.

Atualmente, há quatro unidades em operação em Búzios, que respondem por mais de 20% da produção total da Petrobras. A quinta plataforma, o FPSO Almirante Barroso, está em construção e tem início de produção previsto para o segundo semestre de 2022, de acordo com a estatal.

A primeira das três novas unidades será o FPSO Almirante Tamandaré com entrada em produção prevista para o segundo semestre de 2024. O FPSO será afretado com capacidade de processamento diário de 225 mil barris de óleo e 12 milhões de metros cúbicos de gás, e será a maior unidade de produção de petróleo a operar no Brasil e uma das maiores do mundo.

As outras duas unidades, P-78 e P-79, serão contratadas na modalidade Engineering, Procurement and Construction (EPC) e terão capacidade para processar diariamente 180 mil barris de óleo e 7,2 milhões de metros cúbicos de gás, cada uma.

A previsão é de que as plataformas entrem em operação em 2025. A Petrobras contratará também árvores de natal molhadas (ANMs), sondas, serviços de poços e sistema de coleta. A expectativa é de que as contratações dos FPSOs e das ANMs sejam concluídas em 2021, e as demais se iniciem nos próximos 18 meses.

Todas as contratações atenderão aos níveis de conteúdo local exigidos para o campo de Búzios. A Petrobras consolidou seus aprendizados em projetos de FPSO, que são usados como referência para contratações futuras, incorporando padronização de especificações e modelo de abordagem ao mercado.

Também serão implantadas nos FPSOs inovações, como: mecanismo para tratamento e reinjeção da água produzida no reservatório; tecnologias para reduzir a necessidade de mergulho para inspeção do casco. Além disso, itens para reduzir emissões de gases poluentes, com destaque para o flare fechado, equipamento que permite a reutilização do gás produzido na planta, sem queima. (Money Times)

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário