BrasilEconomiaPolíticaTodos

Paulo Guedes avisa, só sai do governo à bala ou removido do cargo pelo presidente Bolsonaro

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse hoje que só sai do governo “abatido à bala, removido à força”. “Tenho missão a cumprir”, afirmou durante live promovida pela XP Investimentos. Ele havia sido questionado se ficaria no cargo até o fim da gestão Jair Bolsonaro. O ministro ressaltou que tem uma agenda a ser cumprida e que, enquanto essa agenda permanecer como foco do governo, estará na equipe. “Se o presidente desistir da agenda, ou se o Congresso interditar o debate, aí não tenho o que fazer, tenho que ir embora para casa”, afirmou.

Uma dessas agendas, segundo Paulo Guedes, é a reforma tributária e a reversão de benefícios setoriais. O ministro disse querer fazer uma desoneração ampla de tributos sobre a folha. Para compensar o impacto sobre os cofres públicos, ele é defensor de um imposto sobre transações eletrônicas. “Queremos que mais gente pague, mas pague menos”, afirmou. Paulo Guedes ressaltou que a agenda de centro-direita é “liberal-democrata” e “não quer aumentar impostos”, mas sim controlar gastos. E alfinetou economistas mais identificados com outras correntes ideológicas: “Se houvesse coronavírus em governo social democrata, ele iria triplicar impostos. Não vamos fazer isso”.

Ao concluir sua participação, Paulo Guedes recomendou aos participantes que “cuidem da saúde, se preservem” e demonstrou otimismo com a recuperação da economia. Hoje mais cedo, o Ministério da Economia informou que o ministro testou negativo para a covid-19, após ter tido contato com o presidente Jair Bolsonaro quando ele já apresentava sintomas da doença. O presidente ainda está em isolamento no Palácio da Alvorada. (OESP)

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário