Negócios

Participação da Petrobras na BR já é de 37% e a Liquigás será vendida já em agosto

A Petrobras já vendeu integralmente o lote suplementar de ações da BR Distribuidora e agora detém 37,5% do capital da empresa, disse nesta quinta-feira (25) o presidente da estatal, Roberto Castello Branco. Segundo o executivo, a oferta ocorreu imediatamente após à venda do lote-base de ações que transferiu o controle da companhia de distribuição para a iniciativa privada. A demanda de investidores pelas ações da BR foi 4 vezes maior do que a esperada, de acordo com o executivo. Foi o maior follow-on (oferta secundária) da bolsa brasileira desde 2010, segundo a B3, e a primeira privatização via mercado de capitais do país. As ações já circulam na bolsa. Às 11h, os papéis tinham queda de 0,91%. “Começaram fortemente. Um excelente desempenho. Um sinal que, apesar da oferta, a operação foi um sucesso. Normalmente quando se tem um momento de oferta de ações, quanto mais constante, o preço da ação recua. E o preço de fechamento de R$ 24,50 foi o mesmo do lançamento da operação”, afirmou Castello Branco. “Normalmente, o que acontece, em média, é um desconto de 6%. E não teve desconto nenhum. É excesso de demanda.”

O lote-base vendido era de 349,5 milhões de ações, o equivalente a 30% do capital da companhia. A operação foi de R$ 8,5 bilhões. Com essa venda, a Petrobras passou a deter 41,25% do capital. O lote suplementar foi de mais cerca de 43,7 milhões de ações, elevando o valor do negócio para R$ 9,6 bilhões e reduzindo a participação da petroleira para 37,5%.

Castello Branco reafirmou o compromisso da Petrobras de focar em suas atividades principais e se desfazer de outras subsidiárias. A próxima venda será a da Liquigás, distribuidora de gás de cozinha, que ocorrerá no próximo mês. As ofertas vinculantes (finais) pela empresas serão recebidas no dia 7 de agosto, de acordo com o executivo. O secretário especial de desestatização, Salim Mattar, disse que as privatizações “vão acontecer de forma lenta e gradual, mas constante” durante o governo Bolsonaro. Segundo ele, não há uma lista das próximas empresas que devem ser concedidas à iniciativa privada, mas há um “punhado” delas sob estudo.

O presidente da BR, Rafael Grisolia, disse que o plano da BR agora é investir em lojas de conveniência, lubrificantes, meios de pagamento e programas de fidelidade. “Essa é a aspiração, o desejo, é pra onde a BR caminha”. Grisolia admitiu que, apesar do seu porte, a BR não é a empresa mais rentável do setor.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário