MundoPolíciaTodos

Paraguai prende nove chefes de polícia por facilitar tráfico para o Brasil

Uma operação do Ministério Público paraguaio prendeu, nesta terça-feira, 24, nove chefes de polícia suspeitos de receber propina para acobertar o tráfico e facilitar o transporte da cocaína distribuída no Brasil e em outros países. Os investigados lideravam o chamado “Narcosul”, um consórcio do tráfico de drogas que opera no continente. Os carregamentos de cocaína chegavam da Bolívia, Peru e Colômbia em aeronaves e, do território paraguaio, seguiam por terra principalmente para Brasil e Argentina.

A Operação Dignidade, com apoio da Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) e agentes da Polícia Nacional, prendeu policiais que chefiavam departamentos em cidades na região de fronteira com o Brasil, em Mato Grosso do Sul. O promotor Hugo Volpe confirmou que os policiais davam proteção a integrantes das facções brasileiras que atuam no Paraguai, como o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho.

Segundo ele, o grupo facilitava a logística do trágico para essas organizações. “Foi possível detectar que esses policiais davam cobertura aos pilotos encarregados do tráfego aéreo e frustravam as operações que pudessem apreender a droga, repassando informações privilegiadas aos traficantes”, disse. Os investigados atuavam nas regiões de Pedro Juan Caballero, Concepción, Puentesiño e San Carlos, recebendo de R$ 800 mil a R$ 1,5 milhão a cada grande carregamento que deixavam passar. O dinheiro era dividido pelo consórcio.

Conforme o promotor, os suspeitos passarão por investigação patrimonial e devem perder os bens adquiridos com o dinheiro da propina. As investigações tiveram início depois que agentes da Senad fizeram uma sequência de apreensões de cocaína, a partir de janeiro deste ano, recolhendo cerca de três toneladas da droga. Com a prisão de traficantes que operavam as cargas, foi possível descobrir a existência de uma rota de tráfico acobertada pela polícia.

A operação foi montada em sigilo e conduzida por cinco promotores de forma simultânea, em várias frentes, para evitar o risco de vazamento. Entre os presos está o comissário-chefe, Edelio Celso Loreiro Garcia, e os subcomissários Pedro Molinas e Casaco Ruben Dario Duarte.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário