MundoSaúde e MedicinaTodos

OMS demonstra grande preocupação com surtos de coronavírus na Itália, Irã e Coreia do Sul

O aumento de casos de coronavírus registrado na Itália, no Irã e na Coreia do Sul foi considerado “profundamente preocupante” pelo diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus. Em pronunciamento nesta segunda-feira, 24, ele disse que há especulação de que esses casos em novos países podem significar que o avanço do vírus já caracteriza uma pandemia. “No momento, não vemos avanço global incontido do vírus e não vemos mortes em alta escala”, disse ele. “O vírus tem potencial pandêmico? Com certeza. Estamos lá? Achamos que ainda não”.

O diretor executivo da OMS, Michael J. Ryan, disse que, em países europeus, os sistemas de saúde já operam em quase 100% da capacidade, portanto haveria poucos leitos vagos em hospitais caso haja um avanço forte de coronavírus. “Em países desenvolvidos, os sistemas de saúde podem ter pressão extra. Mas se desacelerarmos o avanço do vírus na Europa em algumas semanas, já haverá muita capacidade extra porque o ‘flu season’ (época em que a gripe costuma atingir o continente com mais força) termina”.

Tedros afirmou que a OMS está encorajada com a “contínua queda” de novos casos registrados na China. De acordo com o diretor-geral, a organização concluiu visita à China e preparou relatório sobre a missão, incluindo detalhes sobre a transmissibilidade do vírus, a gravidade da doença e o impacto das medidas tomadas. “A equipe observou que não houve mudança significativa no DNA do vírus, que a taxa de fatalidade está entre 2% e 4% em Wuhan e 0,7% fora de Wuhan”, disse. “Observou também que para pessoas com doenças leves, o tempo de recuperação é de cerca de 2 semanas; para pessoas com doenças severas ou críticas, a recuperação dura entre 3 e 6 semanas”.

Ele disse ainda que a epidemia alcançou pico em 23 de janeiro e que, desde 2 de fevereiro, vem caindo constantemente. “A mensagem chave é que este vírus pode ser contido”, concluiu, ressaltando que diversos países estão conseguindo a contenção. A organização agradeceu também à ajuda de 232 milhões de euros disponibilizada pela União Europeia para combater o vírus.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário