BrasilPolíticaTodos

Ombudsmann diz que Folha de S. Paulo agoniza, petismo mata, desde o ano de 2000, o jornal perdeu 80% dos assinantes

O jornal Folha de S. Paulo tentou conseguir leitores gerando atritos seguidos com o presidente Jair Bolsonaro, mas a estratégia editorial deu errado, e o jornal perdeu. A ombudsman da Folha de S. Paulo, Flávia Lima, em artigo publicado neste domingo, revela que o jornal paulista está morrendo. Ela informa que o jornal impresso perdeu praticamente 80% de seus assinantes desde o ano 2000, quando a internet começou a se popularizar de vez.

Diz ela: “Em 2000, a Folha contava, em média, com 440.655 assinantes no formato impresso. Desde então, mais de 350.000 assinaturas foram perdidas no papel— mais do que toda a circulação atual da Folha”. Ela aponta a migração para assinaturas digitais. Hoje, a Folha de S. Paulo tem cerca de 235 mil assinantes digitais e 86 mil assinantes da versão em papel, mas a tendência de queda do papel se acentual.

“Em 2019, até novembro, a assinatura do papel caiu 13,3%. A digital subiu 17%, o que é positivo. Mas o quadro não é tão simples”, afirma a ombudsman. “A assinatura cheia do impresso custa hoje cerca de quatro vezes a do digital. É certo que o jornal digital quase não tem custos de impressão e distribuição, mas vive à base de tecnologia — além de gastos fixos, como a mão de obra. As assinaturas e os preços cobrados no digital são suficientes para cobrir esses gastos?”, questiona ela.

Uma coisa é certa, petismo mata. Nessas quase duas décadas de agonia do jornal, ele esteve entregue ao comando de ex-militantes da Libelu (grupelho trotskista Liberdade e Luta, do qual se originou também o petista delator premiado Antonio Palocci). E o resultado só poderia ser a morte. Trotskistas agem sempre usando da tática comunista do “entrismo” e, depois de dominarem as publicações, as matam.

Isso ficou evidente já no final da década de 70, às vésperas do surgimento do PT, quando trotskistas da Convergência Socialista (todo mundo originário da USP) tomaram de assalto o jornal Versus e conseguiram levar ao seu fechamento, à sua extinção. Comunismo é uma praga mortal, não convive com informação livre em regime democrático.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário