AgronegócioBrasilTodos

Nuvem de gafanhotos na Argentina avança 10 km e se aproxima de Barra do Quaraí

A nuvem de gafanhotos que percorre a Argentina e se aproxima da fronteira brasileira está a 112 km da cidade de Barra do Quaraí, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, segundo a Secretaria Estadual da Agricultura informou  nesta segunda-feira (20). Os insetos percorreram cerca de 10 km em relação a medição informada no domingo (19). Conforme a secretaria, as temperaturas acima de 25ºC favorecem a aproximação da nuvem, que tem mais de 400 milhões de gafanhotos, e ocupa área estimada em 10 km de extensão por 3 km de largura, conforme o fiscal estadual agropecuário Juliano Ritter, da Inspetoria de Defesa Agropecuária de Itaqui.

Em relação ao Uruguai, a nuvem está a 80 km. Como lembra Juliano, além da temperatura, a velocidade dos ventos também influencia na trajetória da nuvem. Por isso, não é possível prever se os insetos vão chegar ao Estado, e se sim, em qual data, explica o fiscal.

O Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar argentino (Senasa) e a secretaria de Agricultura monitoram a aproximação de uma segunda nuvem de gafanhotos, também formada no Paraguai. Conforme a pasta, a última medição de distância do Brasil, na sexta-feira (17), a nuvem estava a 270 km da fronteira com o Brasil, se deslocando pela Argentina.

Conforme o entomologista da Unicruz, Mauricio Paulo Batistella Pasini, a preocupação com a chegada dos animais aumentou. “Como aumentou a temperatura no Rio Grande do Sul, na semana passada, a gente estava com temperaturas abaixo de 10 graus, domingo e hoje a gente tem temperaturas acima de 25. É normal que os insetos comecem a se movimentar, a buscar novas fontes de alimento”, afirma.

A nuvem se originou no Paraguai, no fim de maio. Depois, os insetos voaram para a Argentina. Nos dois países, provocaram prejuízos ao destruírem plantações. A possibilidade de chegada ao Brasil levou o Ministério da Agricultura a decretar situação de emergência fitossanitária, que permite o uso de inseticidas até então proibidos no País.

A secretaria estadual acompanha o deslocamento dos insetos e afirma ter um plano pronto para entrar em ação caso os gafanhotos cheguem às lavouras do Eestado. Esse combate deve contar com a aplicação de veneno por aviões agrícolas, conforme o diretor do Departamento de Defesa Vegetal da pasta, Ricardo Felicetti. “Nós aqui no Estado mantemos a vigilância e o trabalho de monitoramento e estamos com um plano operacional pronto e já executado na fase de vigilância”, afirma.

Na Argentina, técnicos do Serviço de Qualidade Agroalimentar tem feito a aplicação de veneno com aviões e também por terra. Mas os resultados não têm sido satisfatórios. A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio Grande do Sul (Emater), orientou os agricultores da fronteira a monitorarem as lavouras e a possível chegada dos insetos nas propriedades.

O Grupo de Dispersão de Poluentes & Engenharia Nuclear (GDISPEN) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) vem analisando a trajetória da nuvem de gafanhotos pela Argentina, e realizou simulações de percursos possíveis para os insetos. “Simulou-se um trajeto de até 150 km de distância do ponto de partida, sabendo que este valor é o maior registrado para deslocamento da nuvem de gafanhotos, ou seja, a nuvem pode parar nos pontos intermediários do percurso”, informa o grupo, em texto em seu site.

Utilizando dados como a velocidade de ventos prevista para a região, o grupo estimou o percurso dos insetos caso ele se movam em 40 km por dia, 80 km por dia e 150 km por dia. Previsão para 40 km por dia: se esta previsão se confirmar, na quarta-feira 22/7, estima-se que a nuvem poderá atingir a província de Entre Ríos na Argentina, fronteira com o Uruguai, próximo a Concórdia na Rota 14, em torno de 140 km da cidade de Barra do Quaraí no RS.

Previsão para 80 km por dia: estima-se que a nuvem poderá atingir a região próxima a cidade de El Eucaliptus no Uruguai, em Passo de Los Carros na Rota 26, aproximadamente 200 km da cidade de Barra do Quaraí no RS e aproximadamente 240 km da cidade de Rivera (Uruguai), divisa com o RS, também na quarta-feira (20).

Previsão para 150 km por dia: estima-se que a nuvem poderá atingir a região próxima a cidade de Villa del Carmem no Uruguai, província de Durazno. A região fica a aproximadamente 270 km das cidades gaúchas de Aceguá e Jaguarão. (G1)

Compartilhe nas redes sociais:

Comments (1)

  1. Um inseto fascinante, mas que devido às ações do homem, que vem mudando seu ecossistema constantemente e permitindo que anomalias como essas aconteçam nos tempos de hoje.

Faça seu comentário