BrasilGenteTodos

Morre Gugu Liberato, aos 60 anos, em Orlando, na Flórida

Gugu Liberato, um dos maiores nomes da TV brasileira, morreu aos 60 anos, em Orlando, na Flórida, nos Estados Unidos, nesta sexta-feira (22). Ele estava internado desde quarta-feira (20) em um hospital da cidade, depois de sofrer uma queda em casa e bater a cabeça. A morte encefálica foi confirmada pelo médico Guilherme Lepski, neurocirurgião brasileiro chamado pela família. Lepski chegou a Orlando nesta sexta-feira. Ele diz que Gugu voltou de viagem à Ásia na própria quarta-feira. Ao subir ao sótão, para verificar o ar-condicionado, pisou em uma área feita de gesso (drywall) e caiu no chão da cozinha, de uma altura de quatro metros. Com a queda, bateu a cabeça e sofreu uma fratura na têmpora direita.

Informações sobre o traslado do corpo para o Brasil, velório e sepultamento não haviam sido divulgadas até o fim da noite desta sexta-feira. Gugu foi um dos principais apresentadores da TV do Brasil.

Entre 1981 e 2003, foi destaque no SBT no comando de programas de auditório que foram sucessos na época, como “Viva a noite” e “Domingo legal”. Em 2009, assinou contrato com a TV Record, onde continuou a atuar como apresentador. Ao longo da carreira, iniciada aos 14 anos, como auxiliar de produção de Silvio Santos, que na época tinha um programa na TV Globo, trabalhou ainda como empresário, cantor e ator.

Gugu tinha três filhos com a médica Rose Miriam di Matteo: João Augusto, de 18 anos, e as gêmeas Marina e Sophia, de 15 anos. Antônio Augusto Moraes Liberato nasceu na Lapa, bairro de classe média de São Paulo, em 10 de abril de 1959. Filho caçula de portugueses, tinha dois irmãos, Amandio Liberato e a numeróloga Aparecida Liberato.

Fã de Silvio Santos, conseguiu se aproximar do apresentador aos 13 anos ao lhe entregar uma carta. Um ano depois, começou a trabalhar na TV como auxiliar de produção do empresário, que na época tinha um programa na TV Globo. Em 1982, Gugu passou a apresentar seu primeiro grande sucesso na então TVS: o programa “Viva a noite”. A atração, que alavancou sua carreira, teve destaque por trazer números musicais de artistas em alta na época. Em 1987, Gugu assinou contrato com a Rede Globo, mas Silvio Santos foi pessoalmente conversar com o jornalista Roberto Marinho e conseguiu a liberação do apresentador. Silvio Santos iria passar por uma cirurgia delicada e precisava de Gugu para assumir boa parte da programação de domingo no SBT.

Na emissora, Gugu comandou outros programas e quadros de auditório com gincanas, famosos e atrações musicais, como “Sabadão sertanejo” e “Corrida maluca”, além do game show “Passa ou repassa”. Em 1993, estreou outro grande sucesso, “Domingo legal”, que comandou por 16 anos. No programa, o apresentador esteve à frente de quadros como “Táxi do Gugu”, “Banheira do Gugu” e “Gugu na minha casa”. Também apresentou números musicais e comandou brincadeiras de palcos com artistas convidados.

Na atração, Gugu também eternizou a música “Pintinho amarelinho”, cantando e dançando repetidas vezes no palco. Gugu deixou o programa e o SBT em 2009, quando assinou contrato com a TV Record. Na nova emissora, foi apresentador de programas que levavam seu nome, antes de passar a comandar reality shows como “Power Couple Brasil” e “Canta Comigo”. Desde 2013, os programas comandados por ele eram produzidos e gerados direto dos estúdios da sua produtora, a GGP Produções, criada em 2000.

Ao longo da carreira, ganhou diversos prêmios, como um disco de ouro, 11 estatuetas do Troféu Imprensa e o Troféu Internet em 2005. Gugu ganhou projeção nacional por apresentar programas no SBT e na Record, mas sua história foi além do comando das atrações televisivas. Ele também foi empresário, cantor e ator. Na adolescência, Gugu trabalhou como office-boy. Nos intervalos, escrevia cartas para seu ídolo Silvio Santos. Aos 14 anos, foi convidado para integrar a produção do apresentador. Ele continuou a carreira como produtor por um período, mas não gostou da função e começou a estudar odontologia. Chegou a fazer dois anos do curso, mas acabou voltando definitivamente para a televisão. Ele também estudou jornalismo.

Ao longo da carreira, Gugu Liberato teve vários brinquedos atrelados a seu nome e até um parque aquático, que encerrou as atividades em 2002. No mesmo ano, o apresentador lançou o álbum “Gugu para crianças”, com músicas infantis. Também virou personagem em quadrinhos no “Almanaque do Gugu”, distribuído entre as décadas de 1980 e 1990. Gugu também atuou no cinema ao lado de Xuxa, Angélica, Os Trapalhões e outros. Em alguns filmes, como “O Noviço Rebelde”, “O Casamento dos Trapalhões” e “Os Fantasmas Trapalhões”, interpretou a si próprio em cena. Em outros, como “Xuxa e os Duendes” e “Padre Pedro e a Revolta das Crianças”, deu vida a personagens como o Duende da Inveja e o Padre Sebastião.

A equipe de resgate levou entre cinco e dez minutos para chegar e socorrer Gugu, que foi levado ao Health Medical Center, onde permaneceu na Unidade de Terapia Intensiva, com diagnóstico de sangramento intracraniano. Em razão do quadro grave, não foi indicada cirurgia. De acordo com Lepski, o risco de morte em caso de descompressão seria de 70% em um período de três a quatro meses. No período de observação, segundo o comunicado, “foi constatada a ausência de atividade cerebral”. Atendendo a uma vontade dele, a família autorizou a doação de todos os órgãos.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário