BrasilCulturaGenteTodos

Morre aos 91 anos o cantor Luiz Vieira, autor de “Paz do Meu Amor”, grande sucesso nos anos 60

Morreu na manhã desta quinta-feira (16) o cantor, compositor e radialista pernambucano Luiz Vieira, vítima de uma complicação respiratória. O grande sucesso de Luiz Vieira foi a canção “Paz do Meu Amor”, regravada muitas vezes por grandes nomes da música brasileira. Artistas como Caetano Veloso, Rita Lee, Nara Leão e Luiz Gonzaga cantaram suas composições. “Menino de Braçanã” foi seu primeiro hit, gravada em 1953.

Luiz Vieira ganhou um tributo em vida em 2019, quando nomes de respeito gravaram suas músicas no disco “Luiz Vieira 90 anos”, gravado ao vivo durante um show em 2018, com as participações de Zeca Baleiro, Maria Alcina, Renato Teixeira, Sérgio Reis, Claudette Soares, Daniel e outros nomes da música brasileira.

Luiz Rattes Vieira Filho era de Caruaru, nascido em 1928, e já havia sido chofer de caminhão, motorista de táxi, guia de cego, engraxate e lapidário mesmo depois de fazer sua primeira composição aos 8 anos de idade e de ter cantado em circos e parques de diversão.

Depois de se firmar com cantor, ganhou um programa na TV Excelsior, “Encontro com Luiz Vieira”, em 1962, mesmo ano em que colocou “Prelúdio Pra Ninar Gente Grande”, conhecida como “Menino Passarinho”, nas paradas de sucesso. Quando era chamado de cantor, tratava logo de corrigir: “cantor não, cantador”.

Luiz Rattes Vieira Filho perdeu a mãe com apenas dois anos de idade. Antes dos dez anos mudou-se para o Rio de Janeiro, sendo criado pelo avô, em Alcântara, município de São Gonçalo. No início da sua carreira cantava músicas românticas, valsas e samba-canções.

No programa de Renato Murce, no Rio de Janeiro, imitou Vicente Celestino. Foi crooner de orquestra em um cabaré do bairro da Lapa, no Rio de Janeiro. Conseguiu ser contratado pela rádio Tupi, por intermédio de Paulo de Grammont. Em 1950, acabou sendo contratado pelas rádios Tupi e Record, de São Paulo, que pertenciam às Emissoras Associadas.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário