Política

Moro, que já censurou imprensa, diz no Twitter que “campanhas difamatórias, ameaças e notícias falsas não têm a ver com liberdade de expressão”

Sergio Moro escreveu no Twitter, nesta quinta-feira, que “campanhas difamatórias contra adversários, ameaças e notícias falsas não têm a ver com liberdade de expressão”. “Um debate que não pode tirar o foco do que importa agora: defender o estado de direito e a vida”, acrescentou ele. O ex-ministro ainda afirmou: “Meu respeito à democracia, ao Judiciário e às famílias de vítimas da Covid”. Agora ele virou defensor ardoroso do Supremo Tribunal Federal, o mesmo órgão que ele enfrentou variadas vezes, inclusive desobedecendo ordens, quando era o juiz titular das ações da Operação Lava Jato. Fica evidente que Sérgio Moro, sem a capa preta, já entrou em campanha eleitoral para 2022. Os brasileiros devem levar em conta que, se quisessem votar em juiz, deveriam lutar para que cargos no Poder Judiciário sejam providos por meio de eleição direta. Além disso, durante a Operação Lava Jato, Sérgio Moro expediu ordem judicial mandando fechar site que o havia criticado. Foi obrigado a anular sua decisão em menos de 24 horas devido à enxurrada de críticas que sofreu. Isso comprova o quanto juízes podem ser arbitrários no uso de suas atribuições.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário