Polícia

Moro diz que emprego do Exército na Penitenciária de Brasília visa prevenir eventual resgate de preso

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou na sexta-feira (7) que o emprego das Forças Armadas, na Garantia da Lei e da Ordem (GLO), para reforçar a segurança na área externa da Penitenciária Federal de Brasília é uma “medida preventiva”. Ele afirmou que o objetivo é evitar qualquer tentativa de resgate de preso: “O governo está sempre adiante dos criminosos e a idéia ali é prevenir qualquer espécie de tentativa de um eventual resgate”. O decreto que reforça a segurança na área da penitenciária foi publicado no Diário Oficial de sexta-feira, assinado por Moro e pelo presidente Jair Bolsonaro.

Em março de 2019, a penitenciária federal de Brasília recebeu detentos como Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, condenado a 330 anos. O governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB) disse que não foi informado “sobre o que está acontecendo”. No entanto, disse que acredita se tratar de uma fuga que teria sido organizada por uma facção criminosa que age dentro e fora das penitenciárias. “Como que você edita um decreto dessa envergadura, quase que declarando um estado de emergência policial em relação ao presídio, e eu não tenho conhecimento de nada? Como eu vou dar segurança pra população do Distrito Federal” Conforme o decreto publicado no Diário Oficial, os militares poderão fazer a segurança da Penitenciária Federal desta sexta-feira até o dia 6 de maio.

A unidade é considerada de segurança máxima, ao contrário do Complexo Penitenciário da Papuda, que fica ao lado, e registrou a fuga de três detentos em janeiro. Há pouco menos de um ano, quando a penitenciária começou a receber detentos de outros Estados, como parte de uma operação conjunta dos órgãos de segurança pública do governo federal, o governador do Distrito Federal disse “repudiar” a medida, defendendo que os detidos “precisam de isolamento”.

Ibaneis é contra a manutenção de presos de facções criminosas na capital. “Eles estão reforçando a segurança porque o PCC está aqui e estão querendo retirar o Marcola. Estão errados mais uma vez. Estão colocando em risco a população do Distrito Federal”, disse o governador. Moro afirmou que a população deve ficar “extremamente tranquila” e que os governos federal e local estão cooperando. “Nós cooperamos, temos todos elogios à segurança pública do Distrito Federal. Não existe qualquer problema em relação a isso. O que existe aqui é uma atuação cooperativa entre as forças de segurança”, afirmou.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário