EconomiaTodos

Mercado financeiro já recomenda vivamente a compra de ações da Eletrobras

Os analistas do Bradesco Corretora estão otimistas com a Eletrobras (ELET3:ELET6) e acreditam que mesmo sem a privatização a empresa tem um potencial de valorização de aproximadamente 40%. Isto além da forte valorização de 75% e 55%, respectivamente, que já obteve nos últimos 12 meses.

De acordo com o relatório divulgado na quarta-feira (22), em um cenário ainda mais otimista, contando com a privatização, as ações teriam o potencial de valorização chegando a 68% e 65%. A recomendação é de compra e o preço-alvo para 2020 é de R$ 54,00 para a ELET3 e R$ 55,00 para a ELET6.

De acordo com os analistas do Bradesco, com o possível programa de capitalização do governo, a companhia pode se transformar em uma corporação completa.

A privatização da Eletrobras é um ponto crucial para o crescimento da empresa. De acordo com os analistas do Bradesco, com o programa de capitalização do governo, a estatal pode se transformar em uma corporação completa, voltando a ter o poder que a fez umas das empresas de maior destaque do setor.

Para eles, isso deve acontecer no segundo semestre de 2020. “Acreditamos que a Eletrobras privatizada valeria aproximadamente R$ 111 bilhões (cerca de 2 vezes seu valor no mercado atual)”, afirmaram Francisco Navarrete e Ricardo França: “Nesse caso, os investidores deteriam duas ações listadas: a ‘antiga’ Eletrobras Estatal + a ‘nova’ Eletrobras”.

O governo dividiria e empresa em uma com os ativos de Itaipu e Eletronuclear. Esta seria a parte estatal e com uma capacidade de geração de 9 gigawats. Já a nova ficaria com os passivos de empréstimos compulsórios de R$ 18 bilhões, mais a dívida bruta da holding de R$ 41 bilhões.

A ideia, então, seria de emitir ações no mercado da “nova Eletrobras” no valor de R$ 12 a R$ 15 bilhões, o que retiraria o governo do controle. Este valor iria para a venda da sua produção a preço de mercado, pagando ao governo aproximadamente R$ 19 bilhões pela concessão.

Segundo a corretora, o otimismo em relação ao futuro da empresa se deve a três fatores: 1 – o governo receberá uma taxa de concessão da Eletrobras de aproximadamente R$ 19 bilhões; 2 – para facilitar a aprovação no Congresso, a empresa poderia financiar R$ 300 a 500 milhões em investimentos anuais por aproximadamente uma década em regiões onde seus ativos estão presentes, como no Norte e no Nordeste; 3 – como incentivo para o Congresso, o governo poderia compartilhar a taxa de concessão com Estados e municípios nessas regiões.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário