Justiça

Ilha de Jersey manda para a Prefeitura de São Paulo R$ 34,944 milhões confiscados de Maluf

A Prefeitura de São Paulo recebeu um depósito de R$ 34,944 milhões – equivalentes a US$ 8,4 milhões – direto da Ilha de Jersey, no Reino Unido, valor confiscado de contas do ex-prefeito Paulo Maluf (1993/1996).

O dinheiro faz parte de um montante de R$ 344 milhões que Maluf desviou dos cofres públicos durante sua gestão, inclusive nas obras da Avenida Água Espraiada, hoje Roberto Marinho. Maluf, 88 anos, cumpre em regime domiciliar pena de 7 anos, 9 meses e dez dias pelo crime de lavagem de dinheiro.

O promotor Silvio Antonio Marques informou que os R$ 34,944 milhões fazem parte de um volume total superior a US$ 200 milhões “que ainda têm que ser repatriados” de Jersey. “A família Maluf movimentou em Jersey cerca de US$ 230 milhões. Ainda falta muito dinheiro”.

Os R$ 34,944 milhões estavam estocados em uma conta da offshore Macdoel Investment Limited, da qual Maluf era o verdadeiro controlador, segundo as investigações. Outras duas offshores também foram usadas para manter em Jersey recursos desviados do erário paulistano, segundo a Promotoria – Kildare e Durant International.

A investigação mostrou que os valores desviados de obras milionárias em São Paulo, especialmente grandes obras de engenharia civil, foram enviados para os Estados Unidos e Suíça, depois Inglaterra e até Jersey. Uma parcela menor foi para a França e outra para Luxemburgo.

O promotor Marques destaca que entre 1996 e 1997, Maluf repatriou US$ 92 milhões para investir na empresa da família, a Eucatex. A Promotoria avalia que provavelmente os bens da família Maluf e da Eucatex “não serão suficientes para pagar todas as despesas de condenação pelo prejuízo de R$ 344 milhões aos cofres públicos”.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário