BrasilEconomiaSaúde e MedicinaTodos

GM quer dispensar trabalhadores por quatro meses e reduzir salários entre 10% e 25%

A General Motors quer suspender por até quatro meses os contratos de trabalho dos funcionários das cinco fábricas no País como forma de combate à epidemia do novo coronavírus, se o número de casos continuar crescendo no País. No período de lay-off, como é chamado, os salários seriam reduzidos de 10% a 25%. A suspensão está prevista a partir de 14 de abril, quando os funcionários voltariam de férias coletivas iniciadas entre a semana passada e esta semana.

A empresa alega que a medida é emergencial e temporária, “tendo como objetivo a preservação dos empregos”. Ao todo, o grupo emprega cerca de 18 mil funcionários no País. No lay-off, parte dos salários (R$ 1.813,00) é bancada pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Sindicatos de trabalhadores das fábricas de São Caetano do Sul, São José dos Campos e Mogi das Cruzes, em São Paulo, e de Gravataí (RS) e Joinville (SC) realizam assembleias para votar se aceitam ou não a proposta. No caso da unidade de São Caetano, responsável pela produção do recém lançado utilitário-esportivo Tracker, a votação está sendo feita online desde sexta-feira entre os cerca de 7,8 mil funcionários, incluindo administrativos.

Segundo o presidente da entidade, Aparecido Inácio da Silva, a votação está chegando ao fim e a aceitação da proposta é “majoritária”, diz ele. Ele explica ainda que há uma escala de redução do valor a ser pago pela empresa de acordo com a faixa salarial do funcionário e que o maior corte, de 25%, será aplicado para quem ganha acima de R$ 20 mil. A maior parte dos trabalhadores da fábrica teriam os salários reduzidos entre 10% e 15%.

Na unidade de São José dos Campos, que produz a picape S10 e o SUV Trailblazer, o sindicato dos metalúrgicos local posicionou-se contra a proposta e fará nova reunião com a empresa na quarta-feira. “A General Motors não precisa reduzir salários. É a primeira em produção de automóveis no País. Os trabalhadores têm o direito de permanecer em casa e receber o salário na íntegra”, afirma o vice-presidente do sindicato, Renato Almeida.

A GM não anunciou intenção de cortar o pagamento de bônus anuais milionários para seus altos executivos, nem cortes de mordomias, como uso de jatinhos e helicópteros por seus dirigentes, iates, mansões para férias e feriados, cartões corporativos, e dividendos para acionistas. Os que pagam pelas crises são sempre os mesmos.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário