BrasilPolíticaTodos

Ex-deputado federal José Otávio Germano condenado a pagar programa sexual com travesti

O ex-deputado federal José Otávio Germano foi condenado a pagar R$ 10 mil por dívida com programas sexuais que contratou com o travesti Emilly Silveira Dávila, em Porto Alegre, o que resultou em um tremendo banzé na frente do edifício onde ele morava, no bairro Bela Vista, em Porto Alegre (veja no video os travestis cobrando aos gritos o valor do programa).

José Otávio Germano (PP) foi condenado a pagar R$ 10 mil, corrigidos monetariamente, a essa transexual de Porto Alegre. A sentença, proferida em novembro, determina a indenização a Emilly Silveira Dávila a título de “serviços prestados e não pagos”. O ex-deputado disse que não teve oportunidade de se defender e que vai recorrer da decisão. Emilly entrou na Justiça contra José Otávio Germano em agosto de 2018, pouco mais de um mês depois de protagonizar um tumulto em frente ao prédio em que o político residia, na capital gaúcha.

De acordo com a sentença, assinada pelo juiz Mauro Borba, do 4º Juizado Especial Cível, o ex-deputado não compareceu à audiência judicial referente ao processo. “Reputam-se verdadeiros os fatos alegados pela autora, devendo o réu arcar com o pagamento de R$ 10.000,00, em razão de programas realizados com a autora”, escreveu o juiz, em trecho do despacho.

Na última quarta-feira (22), dois meses depois da sentença, José Otávio Germano foi intimado a quitar o débito, sob pena do acréscimo de 10% de multa sobre o valor da ação. Até então, ele não havia indicado advogado para representá-lo no processo. José Otávio Germano disse que desconhecia a existência do processo e da condenação e que não recebeu intimação para apresentar defesa.

Disse ele: “vou procurar um advogado para entrar com recurso. Isso faz parte de uma armação política que fizeram contra mim e de uma tentativa de extorsão, mas vou tomar as providências legais para reverter”. Na mesma ação, o juiz negou ao travesti Emilly indenizações por lucros cessantes e por danos morais. “A autora referiu que ficou conhecida como ‘a barraqueira do José Otávio Germano’, em primeiro lugar, importa referir que em nenhuma das reportagens juntadas aos autos aparece o rosto da autora, de forma que fosse possível a sua pronta identificação”, registrou o juiz Borba.

O protesto de Emilly e de uma colega em frente ao edifício em que Germano residia, no bairro Petrópolis, em junho de 2018, levou os moradores a chamarem uma guarnição da Brigada Militar, que tentou negociar o fim do tumulto. Na ocasião, as transexuais gritavam afirmando estar cobrando uma dívida do político. Após o pagamento de R$ 2,5 mil e alguns minutos de conversa com os PMs, as transexuais aceitaram ir embora mediante a promessa de que o restante da dívida seria pago em breve.

Depois do tumulto, José Otávio Germano foi afastado das atividades partidárias pelo PP. Na eleição de 2018, ele não conseguiu se reeleger deputado federal, após quatro mandatos na Câmara dos Deputados. Agora ele tenta retornar à cena política concorrendo a prefeito de sua cidade natal, Cachoeira do Sul. O mais inacreditável é que ele lidera as pesquisas de opinião pública para essa eleição: Zé Otávio, PP, 23%; Leandro Balardin, PSDB, 13%; Cleber Cardoso, Podemos, 10%; Oscar Sartório, Republicanos, 6%; Hilton de Franceschi, Cidadania, 5%.Os demais candidatos pontuaram menos de 5%. O candidato do PT, Neiron Viegas, tem 4%, e o do PSL, coronel Francisco, tem 1%.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário