BrasilPolíticaTodos

Deputados da oposição são convidados para evento paralelo ao Sínodo da Amazônia

Deputados de oposição ao governo Jair Bolsonaro se organizam para viajar ao Vaticano a fim de denunciar “violações de direitos humanos na Amazônia Legal”, durante o esquerdopata Sínodo dos Bispos.

O papa comuno-peronista Francisco vetou a presença de políticos com mandato no encontro, mas entidades ligadas à Igreja Católica convidaram os parlamentares brasileiros para um evento paralelo. O convite partiu da Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam), entidade presidida pelo cardeal esquerdopata D. Cláudio Hummes, relator-geral do sínodo.

Ele chamou deputados de partidos como PT, PSB e Rede Sustentabilidade para participar das atividades da tenda “Casa Comum”. Espaço aberto e coletivo, conexo ao sínodo, a tenda é organizada por entidades católicas, entre elas a Repam, a Cáritas, o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e o Movimento Católico Global pelo Clima – e não diretamente pela Santa Sé.

No encontro restrito aos bispos, o papa proibiu, além dos políticos, militares de participarem das assembleias e reuniões, apesar de esforços diplomáticos do governo brasileiro para ter voz no encontro global de bispos.

Os deputados foram convidados para falar no dia 14 de outubro, um dia após a canonização de Irmã Dulce. Eles pretendem apresentar na tenda um relatório sobre a situação dos diretos humanos na Amazônia Legal.

O texto, em fase final de elaboração, é coordenado pelo deputado Helder Salomão (PT-ES), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. Outros deputados assinaram o documento, entre eles os líderes da oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ), e da minoria, Jandira Feghali (PCdoB-RJ). Nenhum é alinhado a Bolsonaro. É tudo comunista, gente que abomina Deus.

O documento preparado por Salomão inclui o relato de três visitas recentes feitas pela comissão para fiscalizar ocorrências na Amazônia: a disputa por terras quilombolas no entorno da base de lançamentos espaciais em Alcântara (MA), o massacre nos presídios de Manaus (AM) e a morte do cacique Emyra Wajãpi, na terra indígena da etnia no Amapá.

A comissão se opôs ao acordo com os Estados Unidos para exploração da Base de Alcântara (MA), denunciou “falhas crassas” na segurança, “condições insalubres” e “provável prática de tortura” nas cadeias manauaras e contestou o inquérito sobre a morte do cacique Wajãpi, que se afogou, conforme laudo pericial da Polícia Federal.

Não há nada mais comunista no Brasil do que o Conselho Indigenista Missionário. Os padres vermelhos da Igreja Católica pregam uma espécie de comunismo primitivo. Helder Salomão vai pedir ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a formação de uma comitiva para viajar em missão oficial, com despesas custeadas pelo Legislativo.

Segundo o petista, sem o aval de Maia, os deputados até podem viajar ao Vaticano, mas levariam falta nas atividades parlamentares, com desconto salarial. “Se o deputado não viaja em missão oficial, não poderá falar em nome do parlamento brasileiro”, pondera o petista. Além dele, também foram convidados pela Repam para ir ao Vaticano, entre outros, nomes como Airton Faleiro (PT-PA), Camilo Capiberibe (PSB-AP) e Joênia Wapichana (Rede-RR).

A tenda Casa Comum vai sediar em Roma encontros entre os padres, bispos e cardeais que participam do sínodo, leigos e religiosos – que levarão 50 representantes dos povos indígenas da Amazônia, tudo controlado pelo CIMI. As atividades da tenda vão além das oficiais, que são restritas à lista de participantes do sínodo.

A tenda será instalada num ambiente cedido por padres carmelitas, da Igreja de Santa Maria em Transpontina, perto da Praça São Pedro. No espaço, haverá palestras, debates, vigílias, peregrinações, apresentações de costumes tribais e exposições de documentários e fotografias sobre temas como violência contra índios no Brasil, impactos negativos da mineração e a vida da irmã missionária Dorothy Stang, assassinada há 14 anos, em Anapu (PA).

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário