Negócios

Depois de levantar R$ 22 bilhões com a venda de papéis da Petrobras, BNDES prepara venda de ações da JBS

Após concluir a operação de venda de parte de suas ações na Petrobras na sexta-feira (7), o
BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) deve começar o planejamento para se desfazer de sua participação no frigorífico JBS. O banco é dono de 21,32% das empresas dos irmãos açougueiros bucaneiros Batista, adquirida em uma série de operações para apoiar a expansão do grupo, que se tornaram alvo de polêmica e de investigações nos últimos anos.

Pela cotação de quinta-feira (6), a fatia vale cerca de R$ 15,6 bilhões. O BNDES já contratou estudos sobre a melhor forma de vender os papéis, mas esperava a conclusão da operação com as ações da Petrobras antes de avançar. Não há definição ainda sobre o modelo nem sobre o prazo para a conclusão do negócio. As vendas de ações fazem parte de um processo de desinvestimento do banco, que ao fim do terceiro trimestre de 2019 tinha uma carteira avaliada em R$ 114,4
bilhões – considerando apenas os papéis sob o guarda-chuva do BNDESPar.

As ações da Petrobras oferecidas ao mercado não fazem parte dessa lista: são papéis ordinários (com direito a voto) que eram detidos diretamente pelo banco. A operação envolveu 9,6% das ações ordinárias da petroleira estatal. Os investidores se comprometeram a pagar R$ 30,00 por cada ação, somando um total de R$ 22 bilhões. Segundo a Petrobras, investidores institucionais, como fundos e bancos de investimento, ficaram com 82,45% das ações.

O restante foi adquirido por pessoas físicas. Após a oferta, o BNDES permanece com 0,16% das ações ordinárias e 19,05% das ações preferenciais da Petrobras. A estatal permanece como a maior empresa da carteira do BNDES, responsável por 40,7% do valor de mercado avaliado em setembro de 2019. A segunda maior, naquela ocasião, era a JBS – a posição acionária do banco no frigorífico valia R$ 19 bilhões. A venda desses papéis tem um complicador, que é o peso do BNDES no capital social da companhia: a oferta, em uma operação, de um volume tão grande de ações tem potencial para derrubar as ações.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário