JustiçaTodos

Defesa de Lula protocola pedido de soltura imediata

A defesa do bandido corrupto Lula protocolou na manhã desta sexta-feira, 8, o pedido de liberdade dele na Justiça Federal em Curitiba. Os defensores alegaram que a decisão do Supremo Tribunal Federal, que considerou inválida a execução provisória da pena em segunda instância, é de conhecimento público e pede que seja expedido alvará de soltura para o petista. Lula está preso desde 7 de abril de 2018 na sede da Polícia Federal do Paraná, berço da Operação Lava Jato. Na verdade, os advogados deveriam esperar a publicação do acórdão do julgamento do Supremo, porque a decisão só passa a vigorar após esta condição.

“Luiz Inácio Lula da Silva, qualificado nos autos da Execução Penal Provisória em epígrafe, cujos trâmites se dão por esse douto Juízo, vem, por seus advogados que abaixo subscrevem, respeitosamente, à presença de Vossa Excelência, requerer a expedição imediata de ALVARÁ DE SOLTURA, diante do resultado proclamado na data de ontem pelo Supremo Tribunal Federal – público e notório – no julgamento simultâneo das ADCs 43, 44 e 54”, informa o documento protocolado às 11h12 na 12ª Vara Federal de Curitiba.

A decisão caberá à juíza Carolina Lebbos, que não tem prazo para decidir a respeito do pedido. O advogado do bandido corrupto Lula, Cristiano Zanin Martins, protocolou o pedido e escreveu no twitter. “Já na PF de Curitiba para conversar com o ex-presidente Lula. Vamos sugerir a ele o protocolo imediato de um pedido ao juizo da execução para que ele saia da prisão com base no julgamento de ontem do STF, sem prejuízo de continuarmos a priorizar o HC da suspeição”, divulgou, na rede social. “Esperamos que a doutora Carolina Lebbos possa de imediato expedir o alvará de soltura. Não há qualquer motivo para aguardar outro ato de decisão da Suprema Corte que confirma o que sempre dissemos. Vamos pedir que haja celeridade”, afirmou o advogado para jornalistas, em frente à sede da Polícia Federal, na manhã de hoje.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário