MundoNegóciosTodos

Chefe da americana FAA diz que Boeing 737 MAX não será liberado em 2019

O chefe da Administração Federal de Aviação Federal dos Estados Unidos (FAA), Steve Dickson, confirmou nesta quarta-feira que a agência não permitirá que a aeronave suspensa da Boeing, o 737 MAX, envolvido em dois acidentes fatais em cinco meses, volte a voar antes do final de 2019.

Dickson disse à CNBC em uma entrevista antes de seu depoimento perante o Comitê de Transporte e Infraestrutura da Câmara dos Estados Unidos, que existem quase uma dúzia de etapas que devem ser concluídas antes que o avião possa retornar ao serviço.

Autoridades federais disseram no início desta semana que a FAA não deve autorizar o avião a voar no mínimo até janeiro, citando um trabalho significativo ainda a ser feito. Algumas autoridades norte-americanas acham que Dickson só deve liberar a aeronave em fevereiro.

A Boeing não disse se havia abandonado seu objetivo anterior de retomar as entregas até o final de 2019, mas garantiu que estava trabalhando “em estreita colaboração com a FAA e reguladores globais para a certificação”.

Dickson testemunhou ao lado de Earl Lawrence, chefe de certificação de aeronaves da FAA. Outros que devem depor incluem um ex-funcionário da Boeing que levantou preocupações sobre a produção do 737 e um ex-funcionário da FAA que dirá ao comitê que acredita que “a Boeing aplicou uma pressão indevida aos diretores da FAA para ignorar seus engenheiros e especialistas sobre questões críticas de segurança”, disse o representante Peter DeFazio, presidente do comitê.

A empresa afirmou que o fornecimento de dados errados a um sistema de computador chamado MCAS, que empurrou os dois aviões acidentados para baixo, era um elo comum em duas cadeias mais amplas de eventos que levaram aos acidentes. A Boeing está revisando o software do 737 MAX para exigir que seu sistema MCAS receba os dados de dois sensores.

DeFazio citou uma análise da FAA antes do segundo acidente fatal que sugeria uma falha no projeto do 737 MAX, se não corrigida, poderia resultar em até 15 futuros acidentes fatais durante a vida útil da frota. “Apesar de seus próprios cálculos, a FAA brincou com a sorte sobre a segurança do público e deixou o 737 MAX continuar voando até que a Boeing pudesse revisar seu software MCAS”, disse DeFazio.

Depois que a FAA liberar o avião para voar e aprovar as mudanças no treinamento, as companhias aéreas dos Estados Unidos ainda levarão 30 dias ou mais para retomar os vôos. Dickson disse à CNBC que a FAA não tomou uma decisão sobre os requisitos de treinamento dos pilotos.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário