NegóciosTodos

Cade aprova sem restrições compra da Nextel pela Claro

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou sem restrições a aquisição do controle da Nextel pela América Móvil, dona da operadora Claro. A decisão consta de despacho publicado no Diário Oficial da União desta segunda-feira, 9. O anúncio da compra da Nextel pela mexicana América Móvil foi feito em março, pelo valor de US$ 905 milhões (R$ 3,47 bilhões). Embora tenha participação de 1,5% no mercado, a aquisição é considerada estratégica por causa dos espectros – licença de uso de frequência – de propriedade da empresa, sobretudo em São Paulo.

O caso vinha sendo acompanhado por Oi, Telefônica Brasil e TIM, que estavam preocupadas no aumento do poder de mercado da Claro depois de confirmada a operação. As concorrentes foram ao Cade contra a aquisição. A TIM e a Telefônica alegam que a Claro passaria a deter uma concentração elevada de espectro de radiofrequência, provocando desequilíbrios na concorrência entre as grandes teles.

Por sua vez, a Nextel e a América Móvil informaram ao Cade que “a integração entre as plataformas das partes possibilitará que a Claro aumente a oferta de seus serviços nos mercados afetados, especialmente de SMP (Serviço Móvel Pessoal), estimulando a inclusão digital e proporcionando aos atuais clientes da Nextel Brasil acesso ao portfólio completo de produtos e serviços ofertados pela Claro”.

Além disso, acrescentaram, a aquisição de ativos da Nextel Brasil também está alinhada com a estratégia de ampliar a distribuição de plataformas da Claro, combinado com o incremento de capacidade necessário ao atendimento da crescente demanda e preferência dos consumidores pelo consumo de dados móveis. A operação aprovada envolve a aquisição, pela América Móvil, de 100% do capital social da Nextel Holdings – e, indiretamente, da Nextel Brasil -, atualmente detida por NII International e AI Brasil. Após a operação, a América Móvil passará a exercer o controle unitário da Nextel. Além do Cade, a transação também depende da aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário