BrasilMundoTodos

Brasil e Chile divulgam declaração para acelerar acordo de livre comércio

O Brasil e o Chile decidiram hoje (5) acelerar as providências para que o acordo de livre comércio entre os dois países, assinado em novembro do ano passado, entre em vigor. Esse foi um dos itens da reunião ocorrida no Palácio do Itamaraty, em Brasília, entre os ministros das Relações Exteriores do Chile, Teodoro Ribera, e do Brasil, Ernesto Araújo. Para que o acordo entre em vigor é necessário que os parlamentos chileno e brasileiro aprovem a medida.

Depois de aprovado, o acordo precisa ser ratificado pelos governos dos dois países. De acordo com os ministros, a medida terá regras que facilitem a entrada de empresas brasileiras no mercado chileno de compras públicas, estimadas em US$ 11 bilhões.

Ao final do encontro, os dois ministros fizeram um comunicado em que enumeraram os pontos acertados. Além da aceleração do acordo de livre comércio, o chanceler Ernesto Araújo disse que os dois países devem intensificar a aproximação entre o Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, pois Venezuela está suspensa temporariamente) e a Aliança do Pacífico (Chile, Colômbia, Costa Rica, México e Peru). Segundo ele, o que deve facilitar essa aproximação é o fato de que o Brasil no momento ocupa a presidência pro tempore (rotativa) do Mercosul, enquanto o Chile também exerce função semelhante à frente da Aliança do Pacífico.

Os dois chanceleres afirmaram também que os governos do Brasil e do Chile pretendem construir um corredor rodoviário para integrar a região brasileira do Centro-Oeste e os portos marítimos no norte do Chile. Para que esse projeto seja concluído é necessário construir uma ponte sobre o rio Paraguai, entre Porto Murtinho (Mato Grosso do Sul) e Carmelo Peralta, pelo lado paraguaio, para alcançar em seguida o noroeste argentino.

Ernesto Araújo afirmou que as duas nações concordaram em realizar uma cooperação científica na Antártida, onde os dois países mantêm estruturas para pesquisa. A base brasileira foi seriamente danificada por um incêndio ocorrido em 2012 e será reinaugurada em breve.

O chanceler brasileiro afirmou também que o desenvolvimento conjunto entre o Brasil e o Chile da cybersegurança faz parte da declaração de compromissos assinada hoje entre os dois países. Ele acrescentou que a questão “extrapola os temas clássicos de segurança” entre as nações.

O chanceler chileno também expressou otimismo sobre o futuro das relações de seu país com o Brasil. Ele disse que Chile e Brasil acertaram a construção de um porto digital para a região, com o objetivo de integrar os sistemas não só entre os países que integram o Cone Sul, como também a Ásia. Ele disse que a situação da Venezuela foi também um dos temas do encontro: “A situação na Venezuela afeta a toda a região e por isso reafirmamos a importância do tema para dar uma resposta logo”.

O chanceler chileno também disse que o Brasil aceitou hoje participar intensamente da COP 25, a conferência do clima que será realizada no Chile em dezembro deste ano. Em nome do presidente Jair Bolsonaro, o chanceler brasileiro agradeceu a ajuda que o governo chileno vem dando para o combate a incêndios na floresta amazônica. No momento, quatro aviões chilenos trabalham no combate às chamas.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário