Brasil

Bolsonaro diz que pai do presidente da OAB foi assassinado pela própria AP

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje que o presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, usa a OAB para emular seus rancores familiares, pessoais e políticos, visando atingi-lo e abalar o seu governo. A fala do presidente ocorreu depois de uma troca duríssima de farpas entre ele e o presidente da OAB, tudo por causa do assassinato de Fernando em 1974, aos 26 anos, pai de Felipe, em pleno regime militar. De manhã, Bolsonaro foi para cima do presidente da OAB: “Ele quer que eu conte como o pai dele morreu, num ano de combate em que os comunistas, inclusive o pai de Felipe, pegaram em armas para praticar terrorismo? Acho que ele não vai gostar”.

Mais tarde, o presidente da OAB defendeu o pai e atacou severamente Bolsonaro. Em nota, ele disse que Felipe Santa Cruz era da AP (Ação Popular), que inicialmente foi um grupo católico, mas que em 1974 já era francamente comunista, da linha maoísta. A AP (Ação Popular) pegou em armas e entrou para a clandestinidade, a luta armada e ações terroristas ainda na década de 60. Bolsonaro voltou ao caso esta tarde e contou como morreu o pai do presidente da OAB: “Fernando não foi morto pelos militares, mas pelos próprios colegas do grupo de esquerda do qual ele participava, a AP (Ação Popular)”.

Bolsonaro voltou ao caso esta tarde e contou como morreu o pai do presidente da OAB: “Fernando não foi morto pelos militares, mas pelos próprios colegas do grupo de esquerda do qual ele participava, a AP (Ação Popular).” É lastimável que Felipe Santa Cruz tenha aparelhado completamente a OAB, uma autarquia federal, colocando a entidade a serviço da causa da libertação de um corrupto condenado, Lula da Silva, e na defesa de casos particulares, como o seu drama familiar.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário