Brasil

Bolsonaro anuncia trocas na Casa Civil e no Ministério da Cidadania

O presidente Jair Bolsonaro confirmou na tarde desta quinta-feira (13) duas mudanças em sua equipe ministerial. O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, deixará o comando da pasta para assumir o lugar de Osmar Terra no Ministério da Cidadania. Com isso, Terra, que tem mandato de deputado federal, voltará para a Câmara. Para a Casa Civil, Bolsonaro convidou o general Walter Souza Braga Netto, que atualmente ocupa a chefia do Estado-Maior do Exército, considerada a segunda posição na hierarquia da força militar. O anúncio foi feito por Bolsonaro em uma publicação no Twitter. É tudo perfumaria. O que interessa, Bolsonaro não mexe. Ou melhor, não se mexe. Ele está freando o ímpeto reformista do seu governo, que é o ímpeto desejado pelo povo brasileiro. Se não mudar de atitude logo, será o grande responsável pela renascimento do esquerdismo.

Ainda de acordo com o presidente, a cerimônia de posse nos cargos será realizada na terça-feira (18), no Palácio do Planalto, às 15 horas. É troca seis por meia duzia. O que interessa são projetos de reformas. E esses não aparecem. O governo está paralisado. Se não se mover logo, os ganhos da política econômica alcançados até agora serão perdidos. E o Brasil perderá, é a última chance que o Brasil está tendo de alcançar a posição de grande nação, Bolsonaro está jogando isso no lixo com suas indecisões, com suas concessões ao que há de mais fisiológico, atrasado, corrupto, no Brasil.

Desde que assumiu o cargo, há pouco mais de um ano, Jair Bolsonaro fez um total de sete mudanças no primeiro escalão. Houve trocas no Ministério da Educação (Ricardo Velez por Abraham Weintraub), na Secretaria-Geral da Presidência (Gustavo Bebianno por Floriano Peixoto e, em seguida, por Jorge Oliveira), na Secretaria de Governo (Santos Cruz por Luiz Eduardo Ramos) e, na semana passada, no Ministério do Desenvolvimento Regional (Gustavo Canuto por Rogério Marinho). E tudo isso para absolutamente nada.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário