BrasilEconomiaNegóciosTodos

Bank of America diz que Ibovespa ainda tem fôlego para chegar a 110 mil pontos

À medida que cresce, no mercado, a avaliação de que o pior da pandemia de coronavírus ficou para trás, os investidores começam a sustentar uma discreta alta do Ibovespa. A dúvida, agora, é até onde o principal índice da B3 (B3SA3) pode chegar em 2020.

Entre as instituições financeiras, o Bank of America (BofA), no relatório enviado hoje a clientes afirma que, no seu cenário básico, o Ibovespa terminaria o ano em 100 mil pontos. Caso a previsão se confirme, significaria uma queda de cerca de 5% sobre o patamar de 105 mil pontos recém-conquistado.

Mas, no melhor cenário (bullish), o índice pode chegar aos 110 mil pontos. Assim, haveria margem para uma valorização de cerca de 5%, em relação ao seu atual nível. Claudio Irigoyen e Gabriel Tenorio, que assinam o relatório do BofA, observam que as expectativas para a temporada de balanços de empresas brasileiras, referentes ao segundo trimestre, são bastante baixas, o que pode dar espaço para algumas surpresas positivas.

O BofA estima que as empresas que compõem o Ibovespa registrem uma “queda sem precedentes” de 40% do lucro, em relação ao mesmo período do ano passado. Os piores resultados serão vistos, segundo o banco, nos setores de shopping centers, consumo discricionário, construtoras, energia e aviação.

As boas notícias ficarão por conta das empresas de proteína animal e de matérias-primas, com destaque para o minério de ferro. O BofA acrescenta que, em seu portfólio de investimentos, a alocação de recursos para a Bolsa brasileira é marketweight, isto é, com peso igual à média do mercado.

Os papéis preferidos pelo banco, no Brasil, são os que podem se beneficiar da retomada da atividade interna. Se o Ibovespa alcançar, de fato, os 110 mil pontos, deixará uma sensação ambígua nos investidores. De um lado, significará uma forte arrancada, em relação ao pior momento da Bolsa neste ano, quando fechou em 63.604, em 24 de março. De outro, representará uma perda de cerca de 5% sobre os 116.530 pontos com que o Ibovespa fechou dezembro de 2019. (Money Times)

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário