Meio AmbienteMundoTodos

Angela Merkel quer Alemanha com 1 milhão de pontos de carregamento de carros elétricos até 2030

A Alemanha deve ter 1 milhão de estações de carregamento de carros elétricos até 2030, disse a chanceler Angela Merkel em uma mensagem de vídeo neste domingo (3), antes das reuniões nesta segunda-feira (4) com a indústria automobilística sobre como acelerar a mudança para veículos movidos a bateria, com baixa emissão de gases. “Para esse propósito, queremos criar 1 milhão de pontos de carregamento até 2030 e a indústria terá que participar desse esforço, é disso que falaremos”, afirmou Angela Merkel.

A Alemanha tem agora apenas 20.000 pontos de carregamento públicos. Stephan Weil, o primeiro-ministro da Baixa Saxônia, onde a Volkswagen está sediada, disse que queria ver compromissos para 100.000 pontos de carregamento públicos até 2021. Weil é membro do conselho de supervisão da Volkswagen, comprometido em fazer a transição para carros movidos à bateria, mas que precisa ver mais infraestrutura de carregamento para comercializá-los com sucesso.

A reunião é a segunda sobre a questão que envolve ações rápidas, para que o setor de transportes da Alemanha possa ajudar a cumprir as metas nacionais de emissões. Os possíveis compradores citaram a falta de infraestrutura de combustível como razão para evitar carros elétricos. Além das alternativas elétricas aos carros movidos a gasolina e diesel, o governo também explorará aqueles movidos a células de combustível de hidrogênio, com o governo e a indústria compartilhando o custo dos subsídios para atrair compradores para ambos.

Angela Merkel disse que o governo visa a preservar empregos na fabricação de carros e peças. Está ficando claro que são necessários menos funcionários para construir carros elétricos do que os convencionais. Weil disse que Berlim deve facilitar as provisões para financiar compensações por trabalho de curta duração, caso a indústria fique sobrecarregada. “Um tempo extremamente exigente está à frente da indústria automotiva alemã, que precisa ser acompanhada ativamente pelos formuladores de políticas”, afirmou ele.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário