BrasilPolíciaTodos

Ainda há trechos secretos no ilegal inquérito das fake news conduzido pela superdelegacia STF

Ainda há dois apensos do ilegal inquérito das fake news, conduzido pela superdelegacia STF, que não são de conhecimento de ninguém de fora do gabinete do ministro Alexandre de Moraes. Nem a Procuradoria Geral da República, a Polícia Federal ou os demais ministros, muito menos os envolvidos e seus advogados. O inquérito inconstitucional possui 74 apensos, sendo os 72 e 73 classificados como secretos. Cada um se refere a alvos da investigação, provavelmente pessoas com prerrogativa de foro que ainda não sofreram diligências ostensivas.

O detalhe foi percebido por causa da ordem do arquivamento dos itens do inquérito. Depois da deflagração da operação contra os apoiadores de Bolsonaro, o presidente do PTB, Roberto Jefferson, foi incluído no inquérito por causa de tuítes falando em prender os ministros. Seu apenso recebeu o número 71. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, virou investigado também por dizer que os ministros deveriam ser presos. O apenso dele é o 74. Amanhã, o Supremo retoma o julgamento de uma ação que pede o trancamento do inquérito.

Depois do voto do ministro Luiz Edson Fachin, Alexandre de Moraes pediu para fazer um “esclarecimento de fato”: embora o procurador-geral Augusto Aras tenha alegado que o inquérito era secreto até mesmo para o Ministério Público, o ministro já havia enviado a íntegra dos autos à Procuradoria e permitido que as defesas dos investigados tirassem cópia dos trechos referentes a seus clientes. Agora ficou claro que ele não disse a verdade, que continuam existindo partes secretas do inquérito do superdelegado Alexandre de Moraes, o que é absolutamente incabível em qualquer democracia do mundo. (O Antagonista)

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário