BrasilGovernoSaúde e MedicinaTodos

Academia Militar das Agulhas Negras tem mais de 240 casos de coronavirus entre os 1.800 alunos

Com 1.784 aspirantes a oficiais nas fileiras, até 20 de junho a Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) – onde são formados os oficiais de carreira do Exército – registrou 242 casos confirmados de coronavirus, o virus da China. Isso significa que, na época, 13% do total de militares que cursavam a instituição de ensino superior em Resende, no Sul do Rio de Janeiro, foram infectados pelo novo coronavírus. Em maio, a Escola Preparatória de Cadetes do Ar (Epcar), em Barbacena, registrou um surto da doença, com 204 alunos que testaram positivo. Em julho, outros 9 casos foram diagnosticados na instituição. Na academia e em outras 40 unidades de ensino do Exército, não houve nenhuma morte ligada à pandemia. Sobre a Aman, o documento registra que todos os 242 militares se recuperaram da doença e também que todos foram testados para o virus da China.

O Instituto Militar de Engenharia (IME), que fica na Praia Vermelha, no Rio de Janeiro, registrou oito casos de Covid-19 e nenhuma morte. Além disso, todos os infectados já haviam se recuperado. O IME fez 196 testes para Covid-19 e tem matriculados 866 alunos, entre civis e militares.

O total de 242 militares da Aman atingidos pela Covid-19, até 20 de junho, representava quase a metade de todos os 489 casos de coronavírus em Resende. Em novembro do ano passado, o presidente participou da formatura dos aspirantes a oficiais na Aman. Na cerimônia, 425 cadetes receberam a espada de oficial do Exército Brasileiro. A solenidade marca a conclusão de quatro anos de estudos na academia. Além do presidente, foram à cerimônia o vice-presidente, Hamilton Mourão, e a primeira-dama, Michele Bolsonaro. Foi a primeira cerimônia de formatura dos cadetes com Bolsonaro no cargo de presidente.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário