BrasilEconomiaTodos

Roberto Campos Neto afirma que, com reformas, crescimento econômico do Brasil será sustentável

O crescimento da economia, acompanhado de reformas, será sustentável, diferentemente do que ocorreu no passado. A avaliação é do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que apresentou hoje (26) o Relatório Trimestral de Inflação.

No relatório, o Banco Central estima que o Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no País, crescerá 0,9% neste ano e 1,8%, em 2020. Segundo Campos Neto, houve crescimento maior da economia no passado, impulsionado por dinheiro público: “Mas foi um vôo de galinha”.

Agora, destacou, houve uma mudança com maior participação do dinheiro privado no crescimento da economia porque não há espaço fiscal para mais gastos públicos e por ter sido adotada uma política de economia liberal. “É uma recuperação gradual. E essa recuperação, acompanhada das reformas, terá crescimento mais sustentável”, disse Campos Neto.

O presidente do Banco Central ressaltou que, além do andamento da reforma da Previdência, em outras áreas há avanços que são necessários para o estímulo da economia. Ele citou avanço em programa de venda de ativos públicos, a Lei da Liberdade Econômico e medidas de abertura comercial, por exemplo. Campos Neto também afirmou que, para o Banco Central, “a melhor forma de contribuir com o crescimento é manter a inflação estável”. Campos Neto enfatizou que o câmbio é flutuante e que o papel do Banco Central é fazer intervenções no mercado de câmbio quando há disfunções. “Não temos nenhum dogma com relação a instrumentos”, disse, explicando que havia entendimento no passado de que todas as intervenções tinham que ser feitas prioritariamente por meio de swaps (operações no mercado futuro).

Ele afirmou que o Banco Central pode atuar também no mercado à vista, se julgar necessário. “Não temos nenhuma meta para swap”, afirmou. Sobre o aumento da cotação do dólar no Brasil, o presidente do Banco Central explicou que uma parte desse movimento foi reflexo da alta da moeda no mundo. De acordo com Campos Neto, parte do processo foi também provocada pela antecipação de pagamentos de dívidas de empresas brasileiras no Exterior, como a Petrobras.

Compartilhe nas redes sociais:

Faça seu comentário